Notícias

Fique por dentro de tudo que vai acontecer na maior festa de fim de ano do Brasil.

30 de dezembro, 2017

Tambores do Olodum rufam no Festival Virada Salvador

Se para a cultura yorubá, Olodumaré é a representação do ente criador do universo, a Arena Daniela Mercury pode ser traduzida como imagem e semelhança do Pelourinho na Orla de Salvador. Essa é a sensação de quem acompanha o rufar dos tambores transportados da Ladeira do Pelô para a Boca do Rio nesta terceira noite do Festival Virada Salvador. É o samba-reggae do Olodum abrindo caminho para o novo ano, botando a galera para dançar.
No palco, cantores, músicos e percussionistas, são conduzidos por sucessos como Protesto Olodum, Canto ao Pescador, Faraó e uma série inigualável de sucessos que tratam da vida e obra do povo negro, numa conexão Bahia-Africa que, à sua maneira, recorda os êxitos e as agruras do povo negro na terra do Carnaval.
“Minha jangada vai sair pro mar, vou trabalhar meu bem querer”, anunciam as vozes do maior bloco afro de Salvador, em referência à Suíte do Pescador, de Dorival Caymmi. Na plateia, braços, quadris, pernas e corações são envolvidos pelo toque dos tambores.
Pós-Réveillon – Na primeira semana de 2018, o Olodum dá início à turnê Eu falei Faraó, com uma série de shows na capital baiana, antes de ganhar o Brasil, retornando à Salvador nesse meio-tempo para ensaios e, claro, o Carnaval. Até lá, haja coração fervendo com os tambores do Olodum pelas ruas do Centro Histórico.